Terça-feira, 25 de Novembro de 2008
Um grupo de cientistas acreditam ter descoberto uma explicação-chave para o déjà vu, aquela misteriosa sensação de estar diante de algo que já foi vivido, segundo um artigo que será publicado na edição de sábado da revista científica New Scientist.

De acordo com a pesquisa, as experiências sugerem que o déjà vu pode ser provocado de forma independente, sem haver uma memória real para acioná-lo.

Acredita-se que reconhecer um objeto ou situação familiar engatilhe dois processos no cérebro. Primeiro, a mente busca em seu arquivo de memória para descobrir se os conteúdos daquela cena já foram vistos antes. Em caso afirmativo, uma parte separada do cérebro identifica a cena ou o objeto como familiares.

Explorando esta teoria de dois passos, uma equipe de cientistas da Universidade de Leeds, no norte da Inglaterra, mostraram a voluntários 24 palavras comuns e em seguida os hipnotizaram. Os cientistas disseram aos 18 voluntários que, quando estivessem diante de uma palavra em uma moldura vermelha, eles sentiriam a palavra como sendo familiar, embora não soubessem quando foi a última vez que a viram. Mas se vissem uma palavra em uma moldura verde, eles pensariam que ela pertencia à lista original de 24.

Em seguida, os voluntários foram tirados do estado de hipnose e expostos a uma série de palavras em molduras de cores variadas. Algumas não pertenciam à lista original de 24 ou estavam em molduras verdes ou vermelhas. Dez voluntários disseram ter experimentado uma estranha sensação quando viram novas palavras em vermelho e outros cinco disseram que esta sensação definitivamente se parecia com um déjà vu.

A cientista Akira O´Connor, aluna do doutorado do Grupo de Memória da Universidade disse que as descobertas lançam uma luz intrigante sobre os casos de déjà vu e o modus operandi da memória humana. "Isso nos diz que é possível dissociar de forma experimental estes dois processos, o que é realmente importante para estabelecer que são, de fato, separados", disse O´Connor, segundo o artigo da New Scientist.

Uma pesquisa anterior sugeriu que o déjà vu pode se originar em uma parte do cérebro chamado lóbulo temporal. Algumas pessoas com epilepsia no lóbulo temporal freqüentemente têm registros de déjà vu, e cientistas franceses descobriram que partes eletricamente estimuladas do lóbulo temporal podem acionar a sensação de familiaridade com tudo o que uma pessoa encontrar pela frente.

Link!

tags:

publicado por varalcomroupas às 17:02 | link do post | Converse comigo! | favorito

O dia-a-dia de uma mulher comum, num condomínio popular em São Paulo.
mais sobre mim
Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Goodbye, Iraq!

O mistério do Déjà Vu.

Eu quero ganhar esse MacB...

Talheres, pratos, taças, ...

MaDame - Jean Paul Galt...

Labirintiti!

Italianos = Brasileiros!

Cadê a graça do dia?

...Lindemberg que amava E...

Meu relógio foi a briga d...

arquivos

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

tags

acordar

alimentos

antenado sempre

apple

arte

artigos

bichos

blogosfera

blogs

brasil

brinquedo

café da manhã

casa e jardim

cidadão

cidades

ciência

coisas grátis

comidas

conceito

conto

crônicas

design

dneero

ecologia

editor de fotos

empreendimento

feeds

filme

fotografia

fotos

google

histórias de são paulo

http://technorati.com/tag/blogday2007

humor

internet

livros

macbook

meme

meu dia-a-dia

microsoft

monetização

música

natal

nerd

notebook

notícias

orkut

personalidades

pesquisas

política

português

prêmios

problogger

promoções

publicidade

redes sociais

relógio

saúde

sem categoria

software

solidariedade

tecnologia

testes

vídeos

vizinho

workshop

xícaras e canecas

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds